Conheça a doença

A história da dependência química acontece desde o início da humanidade, embora a atenção a essa condição só tenha ocorrido no último século. Dependência química é o uso frequente e exagerado da droga, com ruptura dos vínculos afetivos e sociais, é a perda da liberdade de dizer não à droga à qual o organismo se adaptou, seja droga lícita ou ilícita.

Segundo o dicionário Aurélio, droga é "qualquer substância capaz de modificar a função dos organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas ou de comportamento". Na definição da OMS (Organização Mundial de Saúde) é "qualquer produto, lícito ou ilícito que afeta o funcionamento mental e corporal do indivíduo e que pode causar intoxicação ou dependência".

A droga dicção e alcoolismo são doenças já reconhecidas pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e é por essa razão que o dependente químico necessita de tratamento especializado e de qualidade. A dependência química é uma doença crônica com danos lentos e irreversíveis (físico e psicologicamente).

Agora você tem como saber o grau de dependência no organismo, se informar sobre nossa ajuda especializada e forma de tratamento.

Nem todos os usuários de drogas tornam-se dependentes. Da mesma forma que nenhum dependente ao iniciar o consumo tinha a intenção de se tornar dependente da substância. No entanto, não existe um limite entre o início do consumo, o uso continuado e os transtornos resultantes da dependência.

Para que a família do dependente possa intervir no caso de uma internação, é preciso que ela perceba os seguintes sintomas:

  • Falta de horário para se alimentar, chegar em casa tarde ou irresponsabilidade com compromissos simples como: dentista, viagens, encontros etc;
  • Desinteresse pelo trabalho, escola, esportes. Baixo rendimento ou falhas excessivas na escola;
  • Perda da autoestima: uso de roupas sujas, falta de vaidade, falta de higiene pessoal, mentiras grosseiras para justificar falhas e faltas no convívio social, familiar e profissional;
  • Pequenos furtos dentro de casa: dinheiro da bolsa, da cômoda, "sumiço" da jaqueta nova ou do relógio;
  • Péssimas companhias: o dependente começa a andar e namorar outras pessoas com o mesmo tipo de problemas que ele é, a chamada identificação. Se estes sintomas de comportamento estão ocorrendo com o seu filho (ou parente), você provavelmente precisará agir, mesmo com a não concordância dele.

Em primeiro lugar, chamá-lo para uma conversa sincera e honesta sobre seu envolvimento. Oferecer-lhe ajuda em todos os níveis, principalmente emocional, e deixar bem claro que você o (a) ama, mas não concordar, nem aceitar a maneira que ele (a) esta vivendo.

Algumas definições sobre o usuário


  • Experimentador: É aquele que experimenta a droga levado pela curiosidade. Usa algumas vezes e depois perde o interesse em repetir a experiência;
  • Usuário Ocasional: Usa droga quando disponível, ou em ambiente favorável (festas, encontros). Geralmente não compra a droga; e o uso não causa rupturas afetiva, social ou profissional;
  • Usuário Habitual: Faz uso frequente, porém sem que haja rupturas no seu meio social, ou afetivo, nem perda de controle. Já começa a "comprar";
  • Usuário Dependente: Usa a droga de forma frequente, ou exagerada, com rupturas dos vínculos afetivos e sociais. Não consegue mais parar por vontade própria.
Marcelo
(11) 99715-7337
(11) 99628-8050
(11) 97580-9083
(11) 98719-1196


Topo